5 de mai de 2012

Clueless or failures:

Foto: internet
O ser humano não se contenta com nada, na verdade ele pensa (idealiza alguma coisa que acha que terá sentido para a sua vida que não anda bem) logo, ele planeja a sua realização. Sendo mais clara e objetiva quaisquer que seja o ato ele pode ou não se frustrar uma grande decepção para a sua vida de realizações futuras.
Creio que é assim que começam os maus amados da vida. Pessoas que desistiram no meio da linha de coisas inacabadas, dos atos mal realizados.
E de fato essas pessoas existem, em todos os lugares.  Mas ai que está a chamada vida, o mistério de "ser feliz”, outra coisa que não se encontra assim repentinamente e cada vez mais vira uma modinha de dizer que é alegre e sabe sorrir – mas sem sair do meu foco – pessoas evoluem e nem se dão conta do tamanho que seus pequenos e inacabados atos tomam, ou seja, não aproveitam as oportunidades (de ficarem calados em muitas ocasiões) e mais tarde se frustram por qualquer motivo.
Agora eu me pergunto: se frustrar, ah que beleza, vou virar uma idosa sem nada para contar e dar aquele bom conselho para não desistir, porque eu não aproveitei quando era jovem, ou quando tive a chance. Eu não! Eu quero olhar pra um idiota e dizer:
-Cala a boca seu imbecil, vá viver porque a vida passa rápido demais seu marmanjo, nada de ficar dormindo (bodiando) em casa, vá estudar e fazer festas, porque se eu pudesse faria tudo de novo, porque sorrir não é uma modinha, e não custa nada.
Por isso mais uma vez eu me convenço que a vida é um ciclo de consequências e que em muitas ocasiões estamos colhendo o que mal acabamos de semear, que reclamar só vai nos mostrar como somos pequenos e repentinamente o tempo voou em nossas mãos. Que aproveitar a vida é respeitar o limite do outro, não o mal gosto nem, somente o seu limite, aquele pequeno e imbecil comentário que não deve ser dito, porque cada um tem a sua opinião, cada um faz o que quer fazer independente dos conselhos e opiniões de outros. Viver é aproveitar intensamente, ter responsabilidades, em muitas vezes fazer o que não tem vontade, mas o que define a tua vida.
Não se precisa de sentido para viver, acordar já é uma grande coisa. Novamente o ser humano não precisa perder algo para dar valor para o que tem, afinal, se tem bens materiais ou outras coisas ou não é fruto do esforço, ou de alguma coisa que não te diz respeito. As pessoas esqueceram de viver e aproveitar, apenas respirar, para palpitar a vida do que está ao seu lado, e se esquecem que também são meros imperfeitos como todos buscando uma evolução sensata, e depois ainda reclamam que não aproveitam e são frustados - mas continuam achando que estão com a sua verdade e se metendo literalmente na vida que não é deles. O que falta não é nem o livre arbítrio, é noção mesmo.